Com o aumento da expectativa de vida da população, estima-se que o número de pessoas com mais de 60 anos de idade no mundo salte de aproximadamente 605 milhões, estimativa feita em 2002, para mais de 1,2 bilhão de pessoas no ano 2025, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. A estimativa é que, em 2025, o Brasil possua a sexta maior população mundial nesta faixa etária. Além das questões relacionadas à estrutura econômica e produtiva da própria sociedade, o envelhecimento populacional demanda cada vez mais o acúmulo de conhecimento acerca deste processo orgânico natural, pelo qual, com sorte, todos passaremos. O objetivo a ser almejado não é apenas a busca por viver mais, mas também de envelhecer com saúde e de forma plena. Com o aumento da idade, reduzimos a capacidade de absorção de vitaminas e minerais.

Capacidade de absorção de nutrientes e idade: A partir dos 30

A partir dos 30 anos de idade, quando chegamos no auge do desempenho de nossas funções corporais, o organismo começa a entrar num processo lento de declínio gradual.  

Quer receber nossas novidades em seu e-mail? Cadastre em nossa lista de Lavitaminados.

Com o aumento progressivo da idade, nosso corpo reduz paulatinamente a capacidade de disponibilizar e absorver vitaminas e minerais, que são fundamentais para o correto funcionamento do organismo.

Isso se dá, dentre outros motivos, pelo simples processo natural de redução da taxa de metabolismo basal, que é a quantidade mínima de calorias necessárias para que o corpo funcione corretamente em repouso. Ou seja, nosso corpo demanda menos alimentos para funcionar e, assim, há também a redução da ingestão de nutrientes e minerais.             

Doenças crônicas, o uso de determinados medicamentos, a falta de exercícios físicos, tabagismo e abuso de álcool, bem como a perda de apetite decorrente de motivos psicológicos, como a depressão, são fatores que prejudicam a capacidade de obtenção dos macro e micronutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo.

“O envelhecimento parece estar associado à redução na capacidade de modular, de modo apropriado, a ingestão alimentar para alcançar o gasto total de energia, com aumento da probabilidade de ingestão dietética inadequada. Essa anorexia do envelhecimento pode ser composta por vários fatores que incluem diminuição do paladar. Tal condição pode levar à perda de massa magra corporal isoladamente ou, com desnutrição, à perda de gordura também.” (fonte: TEIXEIRA, in http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_saude_pessoa_idosa_n19.pdf )

Capacidade de absorção de nutrientes e idade: A partir dos 60

Estudos também apontam que alterações no trato digestório das pessoas acima de 60 tendem a reduzir a capacidade de absorção da vitamina B12 e de outros minerais, devido principalmente a uma alimentação pobre em fibras, que impede a manutenção da boa flora intestinal.

Além da perda de massa magra, observa-se também por volta dos 75 anos de idade, um crescimento de quase duas vezes da porcentagem de gordura corporal média, o que pode aumentar em muito o risco de diabetes.

A perda da densidade óssea, a chamada osteoporose, também é outro grande problema associado ao processo de envelhecimento, e afeta principalmente as mulheres que estão na pós-menopausa. A falta de uma dieta composta de alimentos ricos em cálcio, como leite e derivados, bem como a redução dos índices de vitamina D no organismo, que é sintetizada pelo corpo quando exposto à luz solar, são fatores determinantes associados à perda progressiva da massa óssea.  

Alimentação e Nutrição

Para envelhecer de forma plena, atenuando da melhor maneira possível os efeitos naturais do avanço progressivo da idade, manter uma alimentação rica e diversificada é fundamental. Fazer no mínimo três refeições diárias, prestigiando o tradicional arroz com feijão, carnes, peixes, aves, ovos, leite e derivados, além de muitas frutas, verduras e legumes são apenas algumas das recomendações do Ministério da Saúde às pessoas na melhor idade, por meio dos “dez passos para uma alimentação saudável”.

Além de evitar uma dieta monótona e baseada em alimentos industrializados, conhecer as reais necessidades energéticas e as deficiências nutricionais de nosso organismo é o primeiro passo a ser tomado.

O auxílio de um profissional de saúde qualificado, assim como a realização de exames clínicos e laboratoriais periódicos também são fundamentais para traçar o real panorama corpóreo de cada indivíduo, mostrando de forma precisa os níveis de vitaminas e minerais disponíveis no organismo.

Em muitos casos, quando constatada a deficiência de vitaminas e minerais, o uso de um suplemento multivitamínico completo, como o Lavitan Multi Sênior, pode ser altamente recomendado.

Vitaminas Lavitan Multi Sênior

Desenvolvido especialmente para quem está na melhor idade, Lavitan Multi Sênior é um suplemento multivitamínico e mineral completo, com 13 vitaminas e 10 minerais essenciais para o pleno desempenho do corpo.

Ele é ideal para manter a boa saúde e a disposição do organismo, atenuando os efeitos da idade. Composto de magnésio, cálcio, ferro, zinco, selênio e manganês, cobre, cromo e muitos outros minerais, Lavitan Multi Sênior traz uma série de vitaminas essenciais, cujas principais propriedades você confere agora:

Vitamina A – além de favorecer a saúde da visão, ela também ajuda a combater o envelhecimento ao reduzindo os radicais livres.

Vitamina B6 – ajuda o corpo a produzir serotonina e melatonina, responsáveis pelo controle do humor e do sono. É uma vitamina importantíssima no combate das doenças inflamatórias, como a artrite reumatoide, por exemplo.

Vitamina B7 (biotina) ­– além de auxiliar na manutenção dos níveis corretos de glicose no sangue, a biotina é responsável pela boa saúde do cabelo e das unhas, mantendo-os com aspecto forte e jovial.

Vitamina B12 – fundamental para a boa saúde cerebral, também ajuda na produção das células vermelhas, auxiliando no transporte de oxigênio pelo corpo.

Vitamina C – conhecida aliada na manutenção da imunidade do organismo, a vitamina C também é fundamental para a boa absorção do ferro, e parceira na garantia da boa saúde dos ossos e dos dentes.

Vitamina D – responsável pela regulação do cálcio nos ossos e no sangue, ela é essencial para evitar a osteoporose. Sintetizada através da exposição solar, sua ingestão por meio de suplementos é indicada para aquelas pessoas que não podem ou não conseguem ficar no sol todos os dias.

Vitamina E – poderoso antioxidante que combate os radicais livres, protegendo as células e reduzindo seu processo envelhecimento. Ajuda também na regulação da glicose no organismo.

Vitamina K – impede a formação de placas cálcicas nas artérias, que prejudicam a circulação. Atua no processo de coagulação do sangue.

A relação entre idade e capacidade de absorção das vitaminas e nutrientes
Gostou do artigo? Avalie